Sunday, January 04, 2009

Natalie e Nat King Cole


Jazzófilos(as),
Primeiro programa do ano. Feliz Ano Nove, com saude, prosperidade, paz e a taça cheia de um bom vinho.
Freddy Cole um dos monstros sagrados do genero jazz reabre as comportas da nossa usina de jazz através do programa "Momentos de Jazz" que este ano completará em abril 14 anos, sempre aos domingos de 20h00 as 22h00 pelas ondas da Radio Amazonas FM 101,5.
No cd "A Circle of Love" destaque para a leitura bossanoviana-jazzistica que Freddy faz em inglês de "Manhã de Carnaval" de Luiz Bonfá.
O legendário vibrafonista Lionel Hampton pouco antes de seu falecimento lançou o cd antologico "For the Love of Music" no qual revisitou inovando os seus grandes sucessos como "Flying Home" e "Take the A Train". Audição imperdivel.
Segundo os criticos de plantão, os inglêses de Yorkshire resolveram dar uma resposta local ao estilo de Harry Connick Jr, quando lançaram Peter Grant cantando jazz em 2005. A verdade é que o camarada tem musicalidade de alto nivel e a voz semelhante à dos grandes "crooners" do passado: "The best is yet to come", "The windmills of your mind" e "The more i see you" dão o tom "vintage" a um repertorio impecavel onde inclusive "The Fool on the hill" e "I saw her standing there" dos "The Beatles" pontificam.
A divina Natalie Cole está de volta com o cd "Still Unforgettable" no qual, mais uma vez, canta beneficiada pela moderna tecnologia, com seu pai Nat King Cole o classico "Walking My Baby Back Home". Este cd certamente deverá constar como um dos melhores da carreira da cantora. Anotem ai.
Conto com tua audiência.
Até Jazz!
Humberto Amorim
***
Nat King Cole: Unforgettable
Some people don’t much remember Nat ‘King’ Cole. Some people never really knew about him. But, once you really heard him, he was in a word: Unforgettable.
Decades after his death, a miracle resurrection occurred. It was one of those odd quirks of fate, one of those things that is not supposed to happen, not supposed to work, but it does. A daughter revives her father’s memory by the use of modern technology. On paper this sounds like an ultimate ego trip or some shady producer’s morbid idea of how to milk a legend for all it’s worth. Natalie Cole re-recording her father’s music including a duet with her renowned progenitor. And what do they choose as the major track? Unforgettable.
I, and I am sure thousands of other old heads, shuddered when we heard about the planned recording. What desecration. Talk about digging up the dead. But, give credit where credit is due, somehow this half-baked idea ended up being a success, a bold experiment that really, really worked. Indeed, it too was unforgettable.
The only other thing I have to say is: thank you Nat ‘King’ Cole, not only for being a major force in the development of our music, but also for being a man, a Black man willing to face down white power at a time when lynching was an American sport. You are truly: unforgettable.
—Kalamu ya Salaam

Postado por Kaamirã às Domingo, Janeiro 04, 2009

4 comments:

Sarah Paixao said...

que todos os progrmas do ano sejam como este primeiro... "Nothing but the best"

Feliz ano novo, muito jazz pra você!!

bjs e jazz...

Sarah Lima Paixao

Luciana said...

Feliz novo ano Jazz a todos!

O primeiro programa "Momentos de Jazz" desse ano começou muito bem, pois a notável Natalie Cole é magnífica em suas canções. Achei super interessante a novidade do programa: escutar uma canção conhecida(regravação) na voz de um cantor não pop (acho que o contrário também é válido...). Gostaria de recomendar nas próximas edições do programa os cantores John McLaughlin (Mahavishnu) e também Joe Pass que são aniversariantes desse mês.

McLaughlin é um guitarrista de jazz britânico que se tornou conhecido como integrante do grupo de Miles Davis na década de 60. Já Joe Pass (Joseph Anthony Passalaqua), um guitarrista de jazz norte-americano que faria 80 anos cantou diversos duetos, como por exemplo, com Ella Fitzgerald. As músicas "Take Love Easy" (Ella Fitzgerald & Joe Pass) e "Round Midnight" do álbum "Miles Davis And The Modern Jazz Giants" seriam formidáveis como playlist do programa.

Humberto Amorim, parabéns pelo programa !

Abraços a todos os apreciadores do Jazz!!

att.: Luciana

Elektra said...

Olá
Quero começar por pedir desculpa por me "intrometer" no seu blog, mas andava a fazer uma pesquisa pela net e acabei por vir aqui parar...
Já dei uma vista de olhos pelo seu blog e agradou-me bastante.
Gostava de pedir a sua ajuda... Ando á procura de um cd de jazz, só da Alyson Moyet. Pelo q me disseram está simplesmente fantástico. Conhece o cd de q lhe falo? Se souber por favor diga-me o nome e onde posso adquirir...
Obrigada e continue a presentear-nos com os seus artigo fabulosos sobre a sua paixão pelo jazz.
Andarei por aqui...

humberto amorim said...

Elektra,
Obrigado pelo comentário. Volte sempre.
Recomendo o unico disco que tenho da Alison Moyet cantora pop inglesa, por se tratar de uma incursão que ela fez (e muito bem!)pelo Great American Songbook: Voice.
No play list encontrarás:
windmills of your mind,the man i love,what are you doing the rest of your life,cry me a river e bye,bye blackbird entre outras memoraveis.
vai na www.amazon.com e encontraras este e outros discos dela.